Cinco sonhos

8 de agosto de 2010

Hoje, eu irei contar um sonho (ou melhor, um pedaço do sonho, pois o resto eu não me lembro) sonhado na última sexta-feira, dia 6 de Agosto. Sonhei que saiu num telejornal que o governo da Tailândia obrigou um cara a tomar purgante porque ele havia imitado o Michael Jackson. Além disso, o governo tailandês ordenou que o local onde o imitador fez sua performance (o chão onde ele pisou) fosse desinfetado com purgante, como se o purgante fosse desinfetante. O telejornal (que eu não sei qual era e de que emissora era) também mostrou a performance do tailandês imitador, que foi feita num ringue de luta livre (ou algo parecido). O cara, do nada, fez o chamado Moonwalk, que é aquela dança na qual o Rei do Pop “anda para trás”. Além desta reportagem exibida pelo telejornal, me lembro apenas de uma meia muito suja começar a pegar fogo num lugar cheio de palha. O restante do sonho eu não me lembro.

Além deste sonho, irei contar quatro sonhos que tive tempos atrás, em épocas diferentes.

Na época que eu elaborava o meu TCC a fim de eu concluir a minha faculdade, no primeiro semestre de 2007, tive um sonho relacionado à apresentação desse meu TCC. Sonhei que eu fui apresentar o trabalho lá na faculdade, a FATEC de Praia Grande, que, no sonho, era diferente da FATEC da vida real (para variar), as paredes eram roxas. E, na hora de apresentar o trabalho, ao invés de eu, de fato, apresentar o trabalho, eu, supervisionado pelo meu orientador, entrei num caixão e este foi colocado dentro de um buraco que ficava no chão, num canto das instalações da FATEC (acho que era no piso que fica entre uma escada e outra). Inclusive, vi as pessoas passando por mim enquanto eu estava dentro do caixão, que tinha tampa de vidro. O sonho (pelo menos, a parte que eu me lembro) foi basicamente isso.

Nesse ano de 2010, no primeiro semestre (não me lembro ao certo que mês foi, mas não foi recentemente), tive um sonho apocalíptico. Sonhei que tava tudo muito bom, tava tudo muito bem, quando de repente, um míssil atingiu um prédio importante de cima a baixo, bem no topo, destruindo-o. Então, o céu ficou laranja e uma música sinistra começou a tocar, uma música apocalíptica. Então, fiquei sabendo não sei como (ou eu percebi isso, sei lá) que o mundo estava começando a acabar e que aquilo era apenas o começo do fim. Senti a tensão pré-apocalipse no ar e vi as pessoas meio que desesperadas, sem saber o que fazer (e eu também estava meio desesperado, pensando no que eu ia fazer para me safar dessa e continuar vivo, acho que eu estava pensando em uma maneira de escapar do planeta Terra, estava pensando em talvez pegar um foguete não sei de onde, entrar dentro e fugir, levando algumas coisas mais importantes). O sonho foi basicamente isso.

No segundo semestre de 2009, tive um sonho muito abstrato, mas que teve uma história central (digamos assim) sobre um desenvolvimento de algo circular. Eu trabalhava num lugar e me mandaram alterar o funcionamento de algo que era circular e que girava em torno do próprio eixo. Não sei descrever direito o que era, pois não era um objeto, era tipo um conceito ou algo assim. Pediram para alterar o funcionamento do bagulho para que aquilo ficasse em forma de espiral, otimizando não sei o quê. Aí eu alterei o coiso, peguei o bagulho e, em algumas horas, fiz com que o funcionamento daquilo ficasse de forma espiralada. Deu um trabalhão imenso, mas, no final, o funcionamento ficou perfeito, sem os problemas de antes (acho que eram problemas de fluxo de não sei o quê), ficou um bagulho muito otimizado. Entretanto, pouco tempo depois, me deram ordens de desfazer as alterações que eu havia feito. Muito chateado, desfiz o que eu havia feito e o coiso voltou como era antes: circular, com design falho e cheio de problemas de fluxo. E demorei um certo tempo para desfazer o bagulho. E o sonho foi basicamente isso.

No mês passado, sonhei que, aqui no Brasil, passava não sei em que canal um programa em alta definição (HDTV) importado da Coréia do Norte cuja abertura consistia em um norte-coreano de terno e gravata fazendo uma dancinha esquisita e que consistia em um debate de engravatados que falavam sobre o governo daquele país comunista. E o programa era tudo em coreano, não era em português. Neste mesmo sonho, alguém tentou estacionar um carro no alto de um prédio, mas este carro acabou despencando lá de cima. Acho que esqueceram de puxar o freio de mão. Como conseguiram colocar o carro lá em cima eu não sei, pois não havia elevador nem nada. Houve outras partes nesse sonho, mas só lembro dessas duas.

E por hoje é só. Até o próximo post, que eu não sei quando vai ser postado.

Anúncios

Sonhos sonhados nesses últimos tempos

19 de abril de 2009

Hoje, irei contar alguns sonhos que eu tive há tempos atrás (cinco, no total). Quase todos foram sonhados no ano passado, em 2008, durante o tempo de inatividade das minhas postagens neste blog.

Uma vez, no ano retrasado (eu acho), sonhei logo no início do sono com um bebê numa cadeirinha daquelas onde se dá papinha, então a cabeça do bebê aumentou de tamanho rapidamente e estourou como uma bexiga, e acabei tendo um ataque de riso que me fez acordar do sonho. O sonho foi bastante rápido e parece que eu o sonhei quando eu estava começando a pegar no sono.

No dia 21 de Janeiro de 2008, eu sonhei que a greve dos roteiristas era uma maldição divina ao mundo do cinema causada pelos cachês altíssimos dos atores dos filmes e também dos ganhos absurdos dos profissionais do cinema (cachês e salários milionários) e pela não ajuda destes aos mais necessitados. O sonho terminou com uma musiquinha sinistra. Na época que eu tive esse sonho, era a época da tal greve dos roteiristas, que atrapalhou a exibição de algumas séries na TV paga.

Três dias antes desse sonho, no dia 18, eu sonhei que tava dando na MTV o desenho animado do Renan Calheiros e este, bem como os demais personagens do desenho, inclusive a Mônica Veloso, eram ursos, tais como os do desenho Talespin (antigo desenho animado que eu assistia quando criança). No desenho, o Renan estava sendo julgado por aqueles escândalos que ocorreram na vida real envolvendo-o. E este desenho passava em várias MTVs, cada uma passando uma parte daquele mesmo episódio. Não havia outros canais na TV sem ser essas MTVs, que eram centenas. E eu pensava que o canal que estava passando era a Globo e não a MTV, acho que depois que eu me toquei que era a MTV.

No dia 31 de Março de 2008, sonhei um sonho que teve algumas partes distintas, e na principal delas, eu estava tendo aula com um professor que cortava o cérebro de uma mulher como se fosse um repolho, na pia, com a torneira aberta. E não havia nenhum sangue no crânio da moça. E falavam que o crânio da mulher era sobrenatural e não sei mais o quê. Num determinado momento, o professor saiu e eu peguei a faca e continuei eu mesmo a cortar aquele cérebro, sem nenhum nojo ou constrangimento.

Numa outra parte deste sonho, eu vendi os DVDs do Debian 4.0 para uma filial do Boticário e fiquei com medo de que o cara descobrisse algo ou desconfiasse algo de mim (não me lembro exatamente do que eu tinha medo). Na vida real, eu sou vendedor oficial do Debian GNU/Linux, que está em sua versão 5.0.

Também teve uma parte onde eu andava na rua e via, do outro lado desta, um portal (ou algo do tipo) que dava para ver a cidade de Curitiba um pouco diferente, com mar. Eu acho que cheguei a atravessar o portal e ir à essa Curitiba diferente.

E teve uma outra parte onde a Avril Lavigne estava dormindo no quarto da minha avó e, quando eu a vi, disse em inglês misturado com português que era para eu tomar café da manhã na cozinha. A Avril devia estar fazendo uma visita à minha casa.

No dia 24 de Novembro de 2008, sonhei um sonho de três partes (não me lembro se teve outras além das três que vou contar agora). A primeira parte foi uma parte erótica na qual eu participei de uma suruba com algumas ex-colegas de escola da época do terceiro colegial, e em cima de umas mesas azuis grandonas, que ficavam em um recinto enorme e fechado, tipo um galpão. Só havia eu de homem e o resto eram garotas, tinha uma mais tímida, que participou pouco da suruba, outras eram mais assanhadas, com uma delas sendo a que eu mais me “envolvi”, dando várias “investidas” principalmente nos seios da mesma. Especificamente nesta parte do sonho, eu e todas as garotas tínhamos a idade que a gente tinha na época do terceiro colegial, 17 anos. Não irei citar nomes das participantes dessa parte do sonho para não constranger ninguém.

Nesse mesmo sonho, já com a mesma idade da época que tive o sonho, ganhei um PC com o Windows 7 original, mas ele permaneceu na caixa durante o sonho inteiro. Parece que o PC e o Windows 7 original eram necessários para realizar uma determinada tarefa. Lembrando que o Windows 7 só será lançado provavelmente no fim deste ano.

E também, no mesmo sonho, montei uma conexão com uma espécie de rádio que tocava uma determinada música que eu não sei qual era, mas era uma música que eu gostava muito no sonho, só tocava essa música na rádio, e a antena que eu montei para fazer a conexão com essa rádio consistia em um violão partido ao meio.

Por hoje é só! Até o próximo post deste meu blog!


Blog voltando das férias!

8 de novembro de 2006

Olá, internautas! Hoje, acabam as férias deste meu blog e estou de volta para postar alguns sonhos!

O primeiro sonho relatado este post foi sonhado há poucos dias. Sonhei que a minha mãe teve duas filhas pequenas (e que obviamente eram minhas irmãs). Na vida real, eu tenho apenas o Écio como irmão, nenhuma irmã mulher, embora eu chame a Mara de irmã. Eu sempre quis ter uma irmã menor, mas infelizmente eu acabei sendo o caçula da família. Voltando ao sonho, minha mãe teve duas filhas (como eu já havia dito), uma menor (uns dois anos de idade aproximadamente) e outra um pouco mais velha (uns 4 anos). Eu fiquei sabendo da existência dessas minhas duas irmãs quando elas apareceram junto com a minha mãe e fui informado que elas eram filhas da minha mãe. Sei lá por que elas apareceram tempos depois delas terem nascido e nem sei onde elas ficaram escondidas, eu nem pensei nisso na hora que eu descobri que eu tinha duas irmãs, pois fiquei muito feliz com essa notícia, uma vez que, inclusive na vida real, eu sempre quis ter uma irmã menor que eu. Fiquei feliz principalmente com a irmã mais nova, aliás, no sonho inteiro (que não foi muito longo), a outra menina filha da minha mãe (a mais velha) pouco apareceu no sonho e aparentemente teve menor importância que a outra criança. O nome das duas meninas não me foi informado. O sonho foi apenas isso. Uma informação interessante sobre este sonho é que o ambiente onde se passou a “história” era todo branco e bastante abstrato.

O segundo sonho de hoje foi sonhado (acredito eu) há poucas semanas. Sonhei que eu havia voltado a estudar no primário, retornando às antigas salas de aula da antiga escola (que, para variar, estava diferente da escola da vida real). O motivo para eu ter voltado para o Ensino Fundamental era que ainda faltava uma série para eu cursar (ou parece que eu tinha que cursar a série de novo). Não sei que série que era, mas aparentava ser a quinta série (se bem que quinta série não é primário, é ginásio, mas é tudo a mesma coisa). Lembro-me de ter entrado na sala de aula (que não parecia em nada com a sala de aula da antiga escola) e assistido a aula da professora de não sei que matéria, e acredite se quiser, os pirralhos (que eram meus colegas neste sonho) nem faziam bagunça! Também me lembro de ter andado no pátio da escola, que era bastante cinzento. E foi só.

O terceiro sonho de hoje foi sonhado mais recentemente, acho que foi até essa semana (se eu não estou enganado) e foi praticamente um repeteco do sonho anterior, com a diferença de eu estar fazendo novamente, ao invés de um ano do Ensino Fundamental, um ano do Ensino Médio (acho que era o primeiro ou o segundo ano, acredito eu), e o motivo para eu ter que voltar à antiga escola (que desta vez era um pouco mais parecida com a da vida real) foi que eu não havia cursado aquele ano, ou havia cursado só o começo, ou havia sido anulado, alguma coisa do tipo. Nesse sonho não havia pirralhos, mas colegas adolescentes. Neste sonho (assim como no sonho anterior, acredito eu), deve ter outras coisas que eu não me lembro, mas o principal foi isso mesmo.

E o quarto sonho de hoje (o último) é um sonho bem mais antigo, foi sonhado entre o segundo semestre de 1993 e 1995, provavelmente foi sonhado em 1994, mas não tenho tanta certeza. Sonhei que eu fui para o clube da meleca. Foi assim: Eu estava numa espécie de cozinha junto com outras crianças (na época, eu era uma criança, tinha uns 8 anos mais ou menos), não era bem uma cozinha, mas um lugar que tinha vários cômodos (ou várias seções) e cada seção havia uma “porquice” diferente. Numa seção, alguém se sujava de sorvete (ou do que parecia ser sorvete, uma meleca, na verdade, e acho que era da cor verde), numa outra, alguém afundava num barril contendo a mesma meleca (ou uma outra meleca), que possuía cor bege e que mais parecia com uma maionese, e numa outra seção, havia uma janela com uma moça e ela me perguntou não sei o quê (acho que me perguntou se eu queria sorvete) e eu disse que sim. Então, ela pegou pimenta em pó e tacou nela mesma, polvilhando o próprio cabelo. Eu fiquei triste não sei por quê e a moça me consolou, dizendo que não fazia mal que ela havia tacado pimenta no cabelo e que não sei o quê, ou seja, disse para eu não ficar triste. Não estou certo se as pessoas que caíam nas melecas (com exceção da moça da pimenta no cabelo) eram crianças que haviam parado naquele lugar assim como eu ou eram pessoas do próprio lugar, se sujando como se fosse um espetáculo artístico (um espetáculo de muito mau gosto, por sinal). E no finalzinho do sonho, não sei como eu fui parar naquele barril de maionese (meleca bege), afundando e me sujando completamente. E assim foi este sonho sujo. Acredito que tenha mais detalhes de pessoas se sujando que eu não me lembre mais, mas foi basicamente isso o sonho.

E acabou o post de hoje! Até a próxima blogada (que eu nem sei quando vai ser) e viva os meus sonhos sujos! E que o Geraldo Alckmin caia no barril de maionese (uma vez que ele perdeu a eleição para presidente)!


Tetris maluco e uma trilogia de quatro sonhos

20 de março de 2005

Olá, pessoal que está visualizando esta home page! Hoje eu contarei um sonho que eu tive em 1991, quando eu tinha 5 anos. Foi algum tempo depois de eu ter ganho o meu primeiro vídeo-game, um Hi-Top-Game, que nada mais era do que um clone brasileiro do NES (Nintendo 8 bits). O cartucho que veio junto com o Hi-Top-Game era o Pyramid, um jogo tipo Tetris, mas com peças diferentes. No sonho, o vídeo-game estava ligado com o jogo já em andamento. Era a minha vez de jogar, mas eu estava no quarto e o vídeo-game estava na sala (assim como na vida real). Então, corri para a sala em disparada para não perder a partida, que já estava em andamento não sei por quê. E, para piorar a jogada, o jogo começou já no último nível, quando as peças caem mais rápido. Assim que cheguei à sala, dei pausa no jogo, que já estava perdido, pois as peças se acumularam todas umas em cima das outras. Reparei que as peças tinham formatos diferentes das do jogo da vida real, além de estarem em cores diferentes. De repente, mesmo sem eu apertar o botão de pausa, o jogo fez um barulho que eu nunca tinha visto (não fazia parte do jogo original, além de barulhos não serem vistos, e sim ouvidos) e o jogo saiu da pausa. Daí, a última peça caiu e apareceu aquela famosa mensagem: GAME OVER! Assim acabou o sonho. Naquela época, eu ainda morava em Curitiba e não existiam os jogos atuais, de três dimensões e de joysticks cheios de botões. Mas até hoje, o meu Hi-Top-Game funciona (isto é, se tiver instalado na TV, como esta está quebrada, não está instalado). Ao contrário do meu PlayStation, que já não funciona há muito tempo. Sempre que eu mando arrumar, alguns meses depois quebra novamente. Então, eu encostei-o.

É provável que o dia das blogadas semanais deste blog mude para quarta-feira, por questões pessoais. Pode ser que já na semana que vem eu já blogue na quarta ao invés de no sábado ou no domingo. Mas eu ainda não sei, pode ser que mude o dia, pode ser que não mude.

Como eu estou de bom humor hoje, eu vou contar uma trilogia de três sonhos que eu tive no ano de 1997. Ou melhor, são quatro sonhos, sendo três pesadelos entre estes quatro. Foram sonhos bem curtos, mais ruins. No primeiro, eu estava num recinto estranho, cheio de jóias. Fiquei olhando estas jóias e, de repente, eu fiquei paralisado. Foi uma sensação horrível, tanto que eu acordei de madrugada. Então, resolvi dormir de novo. Foi aí que eu tive o segundo pesadelo. Eu estava num quarto mofado, parecido com o antigo quarto da mamãe e do papai na época que eu morava em Curitiba, um pouco antes da gente se mudar para São Paulo. Ha via algumas bugigangas espalhadas. Então, apareceu um fantoche com a boca torta (extremamente parecido com um antigo brinquedo que eu tinha quando eu era criança, só que o que eu tinha não estava com a boca torta) e eu fiquei assustado, tanto que eu acordei novamente. Resolvi dormir de novo, já que ainda era de madrugada. E, novamente, eu tive um pesadelo, que foi um repeteco do primeiro, mas num recinto diferente que agora eu não me lembro mais. Naquele dia, foram só estes os sonhos. No dia seguinte, houve um quarto sonho, que não foi um pesadelo. Sonhei que havia um barco cheio de monstros voando para bem longe. Suponho que tais monstros foram os responsáveis pelos pesadelos do dia anterior. Este sonho também foi só isto. Não sei se havia um quarto pesadelo naquele dia, depois do terceiro pesadelo da trilogia, pois faz tempo que eu tive tais sonhos.

Bom, pessoal, até a próxima escrivinhada aqui no blog! E desentortem a boca do fantoche pelo amor de Deus, ou ele pode aparecer nos seus sonhos!


Sem saco para blogar

3 de outubro de 2004

Oi, pessoal! Hoje eu não estou com muito saco para blogar! Hoje eu vou contar uns trechos de alguns sonhos bem vagos que eu tive ao longo desses anos e que eu não me lembro direito.

Um trecho de um sonho que eu sonhei entre 1999 e 2001, não sei exatamente quando foi, a minha casa que fica nos fundos da casa da vovó, havia sido demolida e havia muita areia no chão. Havia também alguns pedreiros que haviam demolido a casa. Tempos depois, em 2001, na vida real, a minha casa foi reformada. Para isso, ela foi parcialmente demolida. Será que foi premonição?

Agora, um trecho de um sonho mais sacana. Em 1998, quando eu estava na sexta série, sonhei que a professora de geografia (chamada Nilsen) estava dando aula e chamou algumas das minhas colegas na frente da classe. Aí, essas colegas levantaram a camiseta e mostraram os seios! Estavam todas sem sutiã! Eu acho que o meu subconsciente é meio pornográfico!

Esse trecho de sonho foi sonhado em 1990, é bem velho. Sonhei que eu havia olhado no espelho e que havia uns bigodes enormes, bem enormes, de mais ou menos um metro e meio. Eu me assustei, dei um grito e o sonho acabou aí. Esse trecho foi o finalzinho de algum sonho que eu não me lembro mais. Também, né, faz tanto tempo que eu sonhei esse sonho!

Agora, outro trecho pornô. Não sei quando foi sonhado, mas foi mais ou menos assim: havia uma senhora com os seios de fora e eu estava com a cabeça apoiada sobre os seios dessa senhora. A senhora devia ter uns 60 anos. Esse sonho não foi tão prazeroso, a véia tinha 60 anos! Preferível substituir a véia pela Ellen Rocche ou pela Shakira, que têm seios mais firmes e não são tão idosas!

Agora, outro trecho de sonho sacana, e desta vez eu não gostei nada, nada. Sonhei que havia um jeca-tatu barbado que, de vez em quando, vinha e beijava meu rosto, deixando um monte de baba. Ui que nojo! E o pior é que ele fazia isso um monte de vezes! Vá tacar cuspe na cara de outro troxa! Que é isso!

Agora, um trecho de sonho sujo. Não sei quando foi sonhado, só sei que faz tempo. Sonhei que eu estava participando de um programa de TV ou de uma disputa com alguém ou coisa assim e eu estava vestido com um macacão laranja. Daí, o apresentador do bagulho despejou uma meleca viscosa e nojenta em mim e no meu adversário, me sujando completamente. A meleca era tipo mel, só que azul, quase verde. Nossa, mas esse trecho foi sujo!

E agora, outro trecho de sonho sujo. Também não sei quando foi sonhado. Acho que eu era criança quando eu sonhei isso. Foi assim: alguém muito nojento (acho que era uma mulher) sacou uma metralhadora de ovos gosmentos e eu, que estava sentado no sofá, fui o alvo. Os ovos segregavam um líquido muito nojento e eu ficava com asco enorme daquele troço disparado pela bazuca da moça. Até que ela não tinha uma pontaria muito boa, para minha sorte. Aí eu acho que eu reclamei com a moça (que eu nem sei se era mesmo uma moça). Só de pensar, já me dá nojo! Bléééé!!!

Antes de terminar, vou escrever aqui o trecho de sonho que no qual cimentaram a minha cara. Não sei quando eu sonhei com esse trecho, para variar. Foi assim: alguém que eu não sei quem é tacou uma camada de cimento no meu rosto e depois grudou um monte de bolachas água e sal. Depois, colocaram outra camada de cimento e outra de bolachas água e sal. Aí, outra camada de cimento e outra de água e sal. Não sei quantas camadas foram, só sei que esse sonho foi bem imbecil! Imagina só! Tacar cimento na minha cara e depois grudar bolachas de água e sal! Fala sério! Que sonho besta!

Bom, é só isso! Para quem não estava com saco de blogar, até que eu consegui encher lingüiça com esses trechos vagos! Bom, até semana que vem e tomara que eu esteja com saco para blogar! Beijo! E um beijo especial para todas as ruivas (Luciana Montoni, Luana Carminatti, etc)!


Sonhos curtos

1 de fevereiro de 2004

Olá, pessoal! Hoje eu vou contar alguns sonhos bem curtos que eu tive ao longo dos anos.

Teve um dia (já faz mais de dois anos) que eu sonhei que eu havia montado um carrinho em miniatura. Daí eu vendi esse carrinho não sei para quem e esse carrinho foi o campeão mundial de uma corrida de carrinhos em miniatura. O meu irmão Écio também tinha feito um carrinho e havia vendido para outra pessoa, mas o carrinho dele perdeu a corrida.

Um outro sonho que eu sonhei na mesma época desse sonho do carrinho foi um que tinha uma garota da minha idade, uma garota muito bonita que tinha duas pernas mecânicas vermelhas. Ela era parecida com uma garota que eu vi na escola, embora a da escola tivesse as duas pernas. No sonho, algumas pessoas falavam mal dela não sei porquê. Lembro-me que ela ia andando para vários lugares, embora tivesse alguma dificuldade de andar. Ela ia na rua, ia no metrô, no ônibus, etc. Era uma pessoa muito batalhadora. E eu sempre ia atrás dela. Para onde ela ia, eu ia atrás. O sonho foi mais ou menos assim.

Um outro sonho que eu sonhei não sei que época foi um que foi bastante vago. A única coisa que eu me lembro é de que eu estava numa caverna escura, a Sandy estava junto comigo e eu dei um forte abraço nela, uma vez que ela não estava com uma cara muito boa.

Teve também um outro sonho que eu sonhei com minha antiga professora de ciências da 5ª série. Ela se chamava Tatiana (era Tatiana?) e era (e acredito que ainda seja até hoje) muito bonita. Acho que foi a professora mais bonita que eu já tive. Sonhei que eu ia na casa dela, falava com o pessoal da casa dela, tinha uma menina muito bonita que eu acho que era a filha dela, o pessoal conversava comigo e eu era muito querido por lá. Inclusive, a professora Tatiana me deu um beijo bem estalado no meu rosto. Acho que eu também dei um beijo no rosto dela, não me lembro bem se eu beijei ou não. Foi muito legal eu te sonhado com ela. Mas que linda que é essa professora!

Ah, e tem mais um sonho que se a minha prima Débora ler, vai me matar. Acho que eu tive esse sonho em 1999. Sonhei que a Débora e a Diana (que também é minha prima, irmã da Débora) estavam conversando comigo. Até aí tudo bem. Só que tanto a Débora quanto a Diana estavam sem blusa, estavam só de sutiã. O sutiã da Débora era pequeno, já que ela quase não tem peito. Já a Diana, como ela tem peitos razoavelmente grandes, o sutiã dela era maior. Daí, não sei o que aconteceu que o sutiã da Débora subiu rapidamente, indo parar no pescoço e deixando seus mamilos a mostra. Quando a Débora percebeu que eu havia visto as mamicas dela, ficou com muita raiva e fez uma cara bem feia. Eu fiquei meio sem graça. Bem que no sonho poderia ser ao contrário, poderia ter acontecido com a Diana e não com a Débora, já que os seios da Diana são maiores.

Só para terminar, teve um sonho que não sei quando eu sonhei que eu estava no banheiro (não sei se era o banheiro de casa ou era um outro banheiro), um banheiro bastante apertado. A Jacqueline, que foi minha colega de classe, estava tentando entrar no banheiro e eu tentando impedir a entrada dela, pois eu estava usando o banheiro. Ela tentando de qualquer jeito entrar junto comigo no banheiro e eu empurrando ela para fora. Quando ela desistiu de invadir o banheiro, eu fechei a porta (que era uma porta sanfonada), fechei a mão e disse, rindo: “Ai, que vontade de dar um soco na Jacqueline!” Eu nunca gostaria de dar um soco na Jacqueline em hipótese alguma e, como vocês já devem saber, nos sonhos eu não consigo controlar minhas ações. Voltando ao sonho: após eu fechar a mão e dizer que estava com vontade de dar um soco na Jacqueline, a Thais, que é amiga da Jacqueline, entrou rapidamente no banheiro onde eu estava, tirou a parte de cima de seu biquíni e ficou com os seios de fora na minha frente. Eu saí tão rapidamente quanto a Thais entrou, com medo de que ela brigasse comigo por olhar os seios dela, que eram maiores do que são na vida real. Eram seios bem bonitos e quase do mesmo tamanho dos peitos da Jacqueline. Depois que eu saí do banheiro, eu fui para outro lugar que eu não me lembro. A partir daí, eu não me lembro de mais nada deste sonho.

Nossa, essa foi uma super-blogada! Tinha também outro sonho curto que eu vou contar na semana que vem junto com um outro sonho!

Tchau, gente!

OBS: Se a professora Tatiana, que foi minha professora de ciências da 5ª série estiver lendo este blog, um beijo para você, lindona!


Trecho da carta que eu escrevi para a Mara

12 de janeiro de 2004

Alô, gente que acessa o meu blog! Hoje é dia de mais uma blogada! Hoje eu farei um pouco diferente, ao invés de relatar um sonho que eu tive, irei transcrever aqui neste blog um trecho de uma carta que eu mandei à minha amiga Mara no dia 15/09/2002, um trecho que fala de uns sonhos que eu tive sobre alguns candidatos da eleição daquele ano. Eis aqui o trecho da carta:

“Este ano é ano de eleição e eu irei votar pela primeira vez. Ainda não escolhi todos os meus candidatos. Por isso, assisto ao horário eleitoral gratuito. […] Mas eu acho que eu estou assistindo propaganda política demais. Estou até sonhando com alguns candidatos! Teve um dia que eu sonhei que o Quércia era o meu antigo professor de ciências da terceira série e que ele era meio carrancudo e mal-humorado. No dia seguinte, sonhei que eu estava dormindo e o Celso Pitta estava tentando me acordar. Ele não conseguiu e depois apareceu o Robson Malek, do PRONA, para tentar me acordar. Também não conseguiu. Aí eu acordei, senão iria aparecer o Geraldo Alckmin para tentar me acordar, e eu não quero nem saber do Geraldo Alckmin! E no outro dia, sonhei que o Rui Costa Pimenta, candidato à presidência pelo PCO, estava falando não sei o quê. Cada sonho esquisito que eu tenho, vou te contar uma coisa! Será que é um sinal de que eu tenho que votar nestes candidatos? Eu acho que não! Votar no Celso Pitta? Eu, hein! Não sou masoquista!”

Nossa, eu tava vendo propaganda eleitoral demais! Teve um outro sonho que eu não relatei na carta que eu escrevi para a Mara e que eu sonhei com político naquela mesma época de eleição. Sonhei que o Quércia estava numa mesa junto com a Mara e os dois conversavam. Tinha outras pessoas na mesa, acho que era o pessoal da campanha do Quércia. Também tinha algumas câmeras filmando o encontro dos dois. Outro sonho esquisito! A Mara com o Quércia! A respeito dos sonhos que eu relatei na carta, o outro sonho que eu tive com o Quércia, que ele era o meu antigo professor de ciências da terceira série e era carrancudo e mal-humorado, eu nem lembrava mais desse sonho, só agora que eu li o rascunho da carta que eu mandei para a Mara que eu relembrei esse sonho! Era um sonho que se passou na minha escola, que incrivelmente era igual à da vida real (quase sempre é diferente). Os alunos (um monte de crianças) ficavam na fila e o Quércia, mal-humorado e rabugento, andava resmungando com as mãos fechadas. Eu já estava no 2º Colegial e estava observando ele no pátio e relembrando a época que ele havia me dado aula (dado aula no sonho, na vida real ele nunca me deu aula, quem me deu aula na terceira série foi o professor Sílvio, que também era meio chato, pelo menos ele não era carrancudo). O outro sonho, o que o Celso Pitta e o Robson Malek tentavam me acordar, esse foi um pouco mais esquisito. Eu estava na cama meio dormindo e meio acordado e os políticos tentavam me acordar com a música da campanha eleitoral no fundo (no caso do Malek, era a 5ª Sinfonia de Bethoven). Eu não tenho certeza, mas acho que depois do Malek ainda tinha o Enéas, também do PRONA, tentando me acordar. Mas eu não tenho muita certeza e por isso não escrevi isso na carta. O último sonho, que foi o do Rui Costa Pimenta falando não sei o quê, foi meio vago, o único detalhe que eu lembro desse sonho foi esse. Parece que ele estava fazendo campanha pela candidatura dele mesmo. É uma pena que eu não tenha sonhado com o Lula. Seria tão legal se eu tivesse sonhado com o Lula! Eu votei nele na última eleição.

Ainda bem que eu guardei o rascunho da carta que eu mandei à Mara, senão eu não teria o que escrever neste blog. Aí eu teria que relembrar um dos muitos dos antigos sonhos que eu tive. Semana que vem tem mais, não sei se será um sonho novo ou velho, mas na semana que vem tem outro sonho para contar a vocês internautas. Tchauzinho!