Sonhos mixurucas

29 de março de 2012

Olá, pessoal! Hoje eu não tenho um sonho daqueles para postar, então eu irei relatar dois sonhos mixurucas que tive recentemente.

Há alguns dias atrás, sonhei com uma casa (ou algo do tipo) que possuía um portão de correr. Parece que aquele imóvel era um patrimônio histórico que pertenceu a alguém que foi importante no passado, apesar da casa não aparentar ser antiga. No início do sonho, o portão de correr estava fechado, mas em certo momento, o local foi aberto para visitação, e eu fui ver o interior do local. Lá, havia muitos livros, parecia que era uma biblioteca ou algo do tipo. Havia outras coisas ocorrendo no local, exposições, talvez teatro, não me lembro direito. Era um espaço cultural, digamos assim. Era tipo a Biblioteca Municipal de São Paulo em menores (bem menores) proporções. E havia bastante gente visitando o local. E não havia alguém na portaria pedindo identificação, como ocorre na Biblioteca Municipal (e nem tinha portaria, passou o portão, já entrou). O sonho foi só isso. Por um lado, até que este sonho não é tão mixuruca assim.

O segundo sonho de hoje é bem mixuruca, tão mixuruca que só lembro do finalzinho. Foi sonhado hoje. Neste finalzinho de sonho, sonhei que Redfoo e SkyBlu, que formam a dupla LMFAO, que toca um estilo de música denominado “party rock”, pediam conselhos à Madonna de como administrar seus patrimônios financeiros. Eu não me lembro de ter visto nenhum dos três (Redfoo, SkyBlu ou Madonna), acho que ouvi alguém comentando isso, ou saiu na TV isso. Acho que foi uma mulher que falou, era uma voz feminina que falou isso. Talvez eu tenha os visto no sonho, na parte que não me lembro mais. Foi só isso o sonho.

Há alguns dias atrás, terminei de migrar os antigos posts para o WordPress, neste endereço. Agora o https://sonhosdoallan.wordpress.com contém todos os sonhos postados no blog dos Sonhos do Allan desde 2003, quando o mesmo estava hospedado no Blig. E os posts foram repostados com as datas originais de postagens nos endereços antigos, como se tivessem sido postados originalmente aqui no WordPress.

Até o próximo post! E espero ter um sonho que não seja mixuruca como esses aí! Bem que eu poderia sonhar novamente com a Sandy! No último sonho que tive com a Sandy relatado neste blog, ela já havia morrido no início do mesmo, e tirando este, já faz quase um ano que não sonho com ela! Quero sonhar com a Sandy nem que seja comigo apanhando dela no octógono!


Sonhos onde eu morri

15 de março de 2012

Hoje eu irei contar três sonhos que eu tive provavelmente em 2008, ano que eu não postei nenhuma vez neste blog. Nos três, eu morri.

No primeiro sonho de hoje, eu já estava morto desde o início (ou eu não me lembro de quando eu morri). No lugar onde eu fui parar após eu ter morrido, tocava uma música melancólica e sinistra. Eu ficava o tempo todo de pé, parado, olhando para um ambiente que eu não ser descrever direito, parecia ser um espaço vazio de cor amarelo escuro, marrom claro ou alguma outra cor do tipo, e eu me sentia como se eu tivesse morrido mesmo, uma sensação muito esquisita, e eu tinha plena consciência de que eu estava morto. E não havia ninguém além de mim naquele lugar. O sonho foi só isso.

No segundo sonho de hoje, eu estava vivo no início do mesmo (essa parte eu praticamente não me lembro, só sei que eu estava vivo) e, não sei por qual motivo, eu morri e virei espírito. Antes de eu morrer, a minha avó morreu primeiro. Depois que eu morri e virei espírito, passei a ter habilidades especiais, como voar, e sentidos que antes eu não tinha, como uma percepção do tempo de uma forma muito diferente a aprimorada da percepção que a gente tem no mundo dos vivos. Depois de perceber que eu tinha habilidades que eu não tinha antes, passei a adorar estar morto e voei por entre os prédios. Quando eu estava no alto de um que era bem alto, decidi me jogar lá de cima a fim de saber qual seria a sensação de me estatelar lá embaixo e não acontecer nada comigo. Me joguei, entretanto, como eu fiquei com medo no meio da queda, parei de cair e fiquei suspenso no ar. Achei isso engraçado e fingi ser o Goku do Dragon Ball Z (para quem não sabe, é um desenho animado japonês violento produzido de 1986 até meados dos anos 90, nesse desenho, o Goku e outros personagens podiam lutar voando ou suspensos no ar, ou em terra também). Também cheguei a ver o espírito da minha avó. Depois que fingi ser o Goku, o sonho acabou e eu acordei.

No terceiro e último sonho de hoje, eu estava namorando uma moça muito bonita de cabelos azuis escuros que tinha uma cicatriz perto da boca, às vezes eu me encontrava com ela tanto em casa quanto em outros lugares. A casa onde eu morava era diferente de qualquer outra casa onde eu tenha morado, era uma casa bem comprida aparentemente feita de madeira. No sonho, estavam presentes os meus familiares. De uma hora para outra, mesmo sem sentir nada, eu e meu irmão Écio morremos e viramos espíritos. Com a minha morte, minha namorada ficou muito triste (apesar disso, não chegou a chorar) e não quis mais saber de mim. Cheguei a vê-la uma vez após a minha morte (ela, é claro, não me viu). Fiquei muito chateado por ter morrido e ter ficado novamente sem namorada, sem poder namorar a moça de cabelo azul. Então, lembrei do sonho contado no parágrafo anterior, então eu decidi verificar se eu tinha ou não habilidades especiais. Decidi me teletransportar para outro lugar e meu irmão fez a mesma coisa. Como no outro sonho, onde fingi ser o Goku, neste eu fingi ser o Cole Turner, da série de TV Charmed (o personagem, interpretado pelo ator Julian McMahon, era um demônio que disparava bolas de energia com as mãos e podia se teletransportar para outros lugares). Apesar de ter fingido ser o Cole Turner, não cheguei a disparar bolas de energia (e provavelmente eu não tinha esse poder). Fiquei mais um tempo morto, vagando por aí, até acabar o sonho.

Este post fica por aqui. Até o próximo post e espero que eu não morra até lá.


Acometido por uma doença estranha

1 de março de 2012

Hoje eu irei contar um sonho sonhado na última sexta-feira, dia 24/02/2012, ou melhor, contarei a parte dele que eu me lembro. Sonhei que estava andando na rua Domingos de Moraes, próximo à estação Vila Mariana do metrô, do lado direito da calçada e andando em direção à Zona Norte, eu estava indo para não sei que lugar a pé, quando de repente eu fui ferido por uma garota com um objeto cortante que me feriu no braço, e tal ferimento me infectou com uma doença estranha na qual fazia as pessoas ficarem com vontade de pintar as unhas e se jogar na frente dos carros que passavam na rua. Eu já havia ouvido falar de tal doença numa parte anterior do sonho na qual eu já não me lembro, parece que eu fiquei sabendo de uns casos ocorridos com outras pessoas.

Após eu ter sido infectado, comecei a me sentir doente e com um pouco de fraqueza. Então, senti vontade de pintar minhas unhas e entrei num boteco que tinha ali perto, sentei-me em uma das mesas e, com esmaltes e apetrechos de manicure tirados não sei de onde, comecei a pintar minhas unhas. Pintei as unhas das duas mãos de amarelo (cogitei antes pintar de azul, lembrando que a Mara pintou dessa cor uma vez, na vida real) e depois eu passei aquele esmalte próprio para as unhas ficarem com aspecto brilhante e que não sei o nome porque não mexo com essas coisas na vida real. Finalizei o trabalho tirando as sobras com um palito de churrasco.

Depois de eu ter pintado as unhas, comecei a caminhar no sentido contrário que eu estava andando anteriormente. Pouco tempo depois, ao me aproximar de uma rua movimentada, senti vontade de me atirar na frente dos carros que passavam em alta velocidade, ainda que eu não tivesse vontade de me suicidar. Entretanto, eu acabei atravessando a rua normalmente, contendo a minha vontade mórbida, pois eu sabia que iria morrer se fizesse aquilo.

Só isso que eu me lembro do sonho. Quando eu acordei, eu me lembrava de outras, mas só esta restou essa na minha memória. Neste caso, até o próximo post!