Cibele cantando mal pra cacete

24 de abril de 2004

Olá, internautas! Hoje eu vou contar outro sonho estranho. Estranho e ensurdecedor. Foi nessa semana, acho que na quinta-feira. Sonhei que eu e a Cibele (da faculdade) estávamos num apartamento meio bagunçado e nós cantávamos algumas músicas. Eu cantava timidamente, quase baixinho. Porém a Cibele cantava muito mal, muito mal mesmo! Dava para doer as orelhas! Parecia que cantava música portuguesa misturado com ópera que tava mais para Núbia Lafayette do que para ópera. Cantava muito mal mesmo, vocês nem conseguiriam imaginar (também, os meus sonhos são inimagináveis). Cantava estrondosamente mal. O sonho foi só isso.

Já faz bastante tempo, acho que mais de um ano, que eu sonhei com um sonho bastante interessante que eu acabei de me lembrar. Eu havia sonhado que eu estava num estádio de futebol dentro de um shopping center, era um estádio coberto e nele estavam jogando Corinthians e São Paulo. Alguns minutos após o jogo ser iniciado, o São Paulo fez um gol. No final do primeiro tempo, o Corinthians empatou o jogo. Eu não quis ver o resto do jogo e fui passear pelo shopping. Por lá, havia setores interessantes, cabeleireiros, decoração com Neon, lanchonetes, lojas, etc. A partir daí, eu não me lembro de mais nada do sonho. Foi quase que um shopping do futuro. Quem sabe os shoppings no futuro não sejam assim!

Até semana que vem!

Anúncios

Outro sonho na FATEC…

21 de abril de 2004

Olá, internautas! Na última semana, eu não postei neste blog porque eu não tinha nenhum sonho para escrever. Hoje, como é feriado, eu resolvi entrar na Internet. Hoje, inclusive, eu sonhei um sonho meio esquisitinho (como sempre). No sonho, eu me lembro de ter aparecido a Wanessa Camargo num certo programa de televisão em estúdio, no qual eu estava presente assistindo da platéia. A Wanessa Camargo ganhou um carro 0km preto (embora esse carro era de um modelo antigo de mais ou menos uns 10 anos). Esse sonho é dividido em algumas partes, não é contínuo como os outros. Depois dessa parte, lembro-me que eu li um panfleto gigantesco contendo informações sobre alguns filmes desconhecidos. Eram filmes nos quais eu nunca tinha ouvido falar. Em outra parte do sonho, vi um filme meio boçal refletido numa parede bem grande por meio de um projetor. A parede era imensa, maior do que alguns prédios, e eu, junto com outras pessoas, víamos o filme boçal de uma varanda bem grande do prédio da FATEC (que não era igual à FATEC de verdade, pelo contrário, era bem diferente). Acho que era um filme do Casseta e Planeta. Lembro-me que o mesmo filme passava em outra tela atrás de todo mundo. Em outra parte do sonho, ainda na FATEC, era de noite e estávamos na aula da professora Alzira. Esta discutia com alguns alunos não sei o quê, acho que era a data de alguma prova. Os alunos não eram os mesmos da FATEC da vida real, eram outros que eu não conhecia. A única que eu conhecia era a Mariana, uma garota muito bonita que estudou comigo ano passado no 3º Colegial. Ela sentava do meu lado. Depois dessa parte, não sei se tinha mais alguma parte. Nem sei se a ordem das partes era essa. Mas foi isso que eu sonhei, um sonho completamente sem pé nem cabeça, mais sem pé nem cabeça que os outros.

Bom, pessoal, domingo, se Deus quiser, eu postarei novamente! Tchauzinho!


Uma viagem muito louca!

10 de abril de 2004

Olá, internautas! Hoje eu irei contar o sonho que eu prometi na semana passada, o sonho da viagem muito louca de avião! O sonho foi assim: Começou quando eu estava no aeroporto esperando para embarcar no avião com destino a um certo país da Europa que eu não sabia qual era. Era o país onde morava a Tia Carmen (se bem que na vida real ela mora no Brasil). Embarquei no avião (que era azul) junto com não sei quem (acho que era a mamãe). Daí o avião decolou. Pousou não sei quanto tempo depois, no aeroporto da capital do país no qual eu viajei. Desembarcamos e fomos para o apartamento da Tia Carmen. Conversamos e ficamos um tempo por lá. Depois, eu dei uma saída para a rua e andei até a porta do aeroporto, que fica próximo ao prédio do apartamento da Tia Carmen. Não sei o que fui fazer por lá. Nas redondezas, havia uma praia bastante esquisita, parecia um pântano. Lembro-me que tinha uma mulher dependurada num galho de árvore gigantesco e que falava alguma coisa que eu não me lembro. Depois, parece que eu entrei não sei com quem num ônibus todo velho e praticamente sem condições de trafegar pelas ruas da cidade. Estava tão velho que a porta traseira por onde desceriam descer os passageiros nem abria mais. Ainda por cima, o ônibus estava imundo e nem tinha pintura. Eu viajei quase do lado de fora do ônibus, já que este não possuía porta de entrada (esta havia caído há muito tempo). Quando o ônibus parou, descemos numa aldeia indígena superpopulosa que mal os aborígines podiam andar direito. Tava uma merda. Voltamos para a portaria do prédio não sei como (de ônibus que não foi). Algum tempo depois, me lembro vagamente dessa parte do sonho, fomos de volta ao aeroporto e voltamos para o Brasil. Aí acabou o sonho.

Semana que vem tem mais sonhos esquisitos! Até semana que vem, se Deus quiser…


O fantástico mundo dos insetos

3 de abril de 2004

Olá, pessoal! Esta semana eu tive sonhos muito loucos, mas muito loucos mesmo! Primeiro eu vou contar como foi o sonho que eu tive na última segunda-feira, 29 de março de 2004. Sonhei que eu estava numa outra dimensão, num mundo onde viviam insetos de todos os tipos, borboletas, formigas, alienígenas, pessoas com asas e um monte de outros seres. Lembro-me que eu havia de alguma forma encolhido de tamanho para entrar nesta dimensão fantástica. mas, como em todo o sonho, sempre rola uma confusão. Tinha um monstro aterrorizando os moradores daquele mundo, uma espécie de louva-deus preto e que era muito perigoso. Lembro que ele era muito poderoso, arrebentava paredes, voava e perseguia os outros insetos. Lembro-me também que eu tinha um dom impressionante de adivinhar o que iria acontecer momentos depois. Eu e mais uma comissão de estrategistas bolávamos um plano de eliminar o terrível louva-deus preto. Eu acho que também sabia voar, não tenho certeza. Lembro-me direitinho do lindo formigueiro que dava-se para ver da janela da sala dos estrategistas. Era um formigueiro cheio de detalhes, tinha várias janelas, parecia obra de arte. Não sei se conseguimos matar o monstro, pois o sonho terminou antes do combate com o monstro, mas foi muito fantástico ver os insetos do mesmo tamanho da gente. Parecia até que eu estava em outro planeta.

Também tive um sonho no dia seguinte sobre uma viagem de avião que eu fiz para um país distante e esquisito, mas este sonho eu vou deixar para semana que vem. Já está tarde. Tchauzinho, queridos internautas!