Brasil x França: O Jogo do Século

23 de maio de 2004

Olá, pessoal! Hoje eu sonhei um sonho bem “esportivo”! Acho que devo ter ficado com aquele jogo do Brasil com a França na cabeça! Foi assim: Começou quando eu estava numa espécie de uma caverna e tinha uma pessoa por perto. Era um homem com barba. Junto comigo, tinha uma menina de mais ou menos uns 8 anos de idade. Estávamos percorrendo os caminhos dessa caverna com um carrinho (a caverna parecia um labirinto). O ano que a gente estava era 2006 e era o dia da grande final da Copa do Mundo. Iriam jogar o Brasil contra a França. Era o Brasil em busca do hexacampeonato mundial. Não sei de que jeito eu e a menina (que eu não sei o nome) conseguimos sair da caverna e ir para casa. A minha casa estava um pouco diferente. Chegando lá, a televisão já estava ligada para nós assistirmos o jogo de futebol (que prometia ser eletrizante). Antes da transmissão começar, o Galvão Bueno mostrou cenas de antigas corridas de Formula 1, nas quais os carros batiam, se despedaçavam e pegavam fogo. Quando começou realmente o jogo, todos nós não desgrudávamos os olhos da televisão acompanhando o jogo que estava no zero a zero. O jogo estava muito emocionante. De repente, um dos jogadores da França deu um chutão para frente e a bola entrou, para a infelicidade de todos os que assistiam ao jogo. O primeiro tempo acabou com o placar de 1×0 para a França. Cada um foi para um lugar para relaxar um pouco (afinal, o jogo estava tenso, era o jogo do século). Eu queria que o segundo tempo começasse logo, pois estava muito ansioso. Eu pensava comigo mesmo: “O Brasil vai virar este jogo!” Demorou para o jogo recomeçar. Quando recomeçou, a mamãe me chamou para assistir o resto do jogo. O jogo recomeçou, mais tenso do que nunca. Porém, eu não pude assistir ao resto do jogo, pois eu acordei quando estava nos 6 minutos do segundo tempo mais ou menos.

Bom, por hoje é só! Tchauzinho!


Sonho coloridinho

15 de maio de 2004

Olá, gente! Semana passada eu não bloguei porque eu estava sem tempo para blogar, tive que fazer outras coisas na Internet (tipo: Windows Update para fazer a atualização de segurança contra o vírus Sasser, instalação de aplicativos no Linux, etc). Mas hoje eu irei contar um sonho que eu tive essa semana, um sonho, digamos, bem coloridinho. Sonhei que eu estava num lugar meio amarelado e com uma iluminação bem porcaria e tinha algumas outras pessoas por lá. Acho que era um dia especial, alguma data comemorativa ou coisa assim. Daí eu peguei tinta guache e pintei meu rosto todinho várias vezes. As outras pessoas fizeram a mesma coisa. Daí eu não sei o que a gente ficou fazendo. Esse sonho foi vago, só lembro até aí.

Para não ficar só isso, contarei um outro sonho, também meio vago, um sonho com a Mara. Esse sonho faz já algumas semanas. Sonhei que eu havia encontrado a Mara no corredor da minha antiga escola e nós dois nos abraçamos. Daí nós pusemos a conversa em dia. Ela me falou que, por um certo motivo que eu me esqueci, ela estava fazendo o 3º Colegial novamente. Foi só isso o sonho.

Até semana que vem, se eu tiver tempo!


Chuva de refrigerante

2 de maio de 2004

Olá, pessoal! Pela primeira vez eu estou blogando usando o Linux! Alguém aí já imaginou uma chuva de Fanta laranja? Pois é, o meu subconsciente teve essa idéia! É melhor eu contar o sonho desde o começo: Começou quando eu e a minha família (que era diferente da família da vida real) estávamos sendo perseguidos por uma família de alienígenas maus e cinzentos. Acho que a gente conseguiu fugir do aliens (é que essa parte do sonho eu me lembro vagamente). Depois, eu estava na casa de não sei quem perto do quintal (acho que era a casa de algum tio) e de repente começou a chover Fanta laranja à beça, inundando todo o quintal (que era maior do que o Maracanã) e as ruas da cidade. As pessoas que trabalhavam no quintal começaram a pedir socorro e se afogar no meio de tanto refrigerante. O refrigerante estava bem gelado. Não sei quem batizou o fenômeno climático absurdo de chover refrigerante com um nome bastante complicado que eu não me lembro. Depois de algum tempo, entrei em casa e comecei a disparar refrigerante azul pelo dedo indicador da mão direita, mirando no botão de liga/desliga da televisão. O mesmo não sei quem que batizou o fenômeno absurdo de precipitação de refrigerante de laranja em abundância batizou o fenômeno de eu disparar refrigerante azul pelo dedo com um outro nome complicado e disse que os dois fenômenos (o da chuva de Fanta e o do refrigerante azul que sai do dedo) tinham relação um com o outro. No dia seguinte, resolvi sair para a rua (que já estava sem o refrigerante) para me encontrar com alguns amigos num barzinho. Ficamos conversando sobre a chuva de Fanta ocorrida no dia anterior. No outro dia, eu, que já duvidava que a chuva de Fanta laranja tivesse acontecido de verdade, já que era um absurdo, comecei a achar que eu havia imaginado tudo aquilo e que a chuva de Fanta havia sido uma mera ilusão, quando eu vi pela televisão os estragos causados pela chuva de Fanta laranja. Aí eu não me lembro se tinha mais alguma coisa no sonho, acho que o sonho acabou aí. Fala sério, chuva de refrigerante?

Até a semana que vem se Deus quiser!