Invadi o Orkut da Cibele!

29 de setembro de 2006

Olá, pessoas! Agora eu irei contar um sonho tido no dia 27/09/2006, ou seja, anteontem. Eu sonhei que eu havia entrado no quarto da Cibele Schmidtke (quem lê este blog deve saber quem é a Cibele, mas para quem não sabe, é uma moça lá da faculdade, uma moça bonita, mas pesada, e eu cheguei a gostar dela durante um tempo) e invadido o profile dela no Orkut. Eu entrei no quarto dela (que era todo azul, as paredes eram azuis, a mesa de madeira onde ficava o PC dela era azul, a cadeira era azul, o PC dela era azul…) e sentei na cadeira a fim de usar o PC da Cibele, e acessei o site do Orkut. Não me lembro qual sistema operacional e qual navegador eu estava usando no PC da Cibele. Após carregar a página inicial do Orkut, eu entrei com o e-mail dela (que eu não me lembro se é o mesmo que ela usa na vida real) e a senha, que era “byscoytto” (tomara que esta não seja a senha do Orkut da Cibele na vida real) e dei Enter, daí entrou a Home do profile da Cibele no Orkut. e eu fiquei usando o profile dela para acessar as comunidades dela, postar se passando por ela, etc. Até que a Cibele adentrou o quarto bem na hora que eu estava lá fuçando o Orkut dela. Nesse momento, eu me levantei da cadeira e tremi de medo dela ver que eu estava invadindo o Orkut dela. A Cibele falou comigo não sei o quê (acho que ela estava perguntando o que eu fazia no quarto dela) e não sei se eu respondi algo a ela, e ela foi embora (acho que ela nem percebeu que o PC dela tava ligado). Não me lembro qual a cor da roupa da Cibele neste sonho, só sei que ela tava com aquela mesma cara de sempre (cara de Cibele). E voltei a sentar à frente do PC da moça, voltando a usar o perfil dela no Orkut e logando-me em perfis de outras pessoas da faculdade, como o da Joyce. Não sei como eu sabia dos e-mails e das senhas do pessoal, eu só digitava os dados na página inicial e logava. Depois disso, acho que eu cheguei a mexer em outras coisas do quarto da Cibele e posteriormente fui parar em uma garagem onde havia umas bugigangas e mais não sei quem. A partir daí, não me lembro de mais nada, embora acredite que haja outras partes que eu não me lembre.

Para não ficar no “só isso”, vou contar também um sonho sonhado quando eu tinha uns 4 ou 5 anos, em 1990 ou 1991, ou seja, há 15 ou 16 anos atrás. Sonhei que eu e minha mãe estávamos numa espécie de jantar meio esquisito. Estávamos na sala onde tinha a antiga mesa azul de fórmica (onde na vida real a gente almoçava) e na mesa havia um pequeno buraco retangular que na mesa da vida real não tinha. Havia também umas pessoas em volta da mesa, inclusive um velho que tomava pinga num frasco pequeno e meio esquisito, que tinha uma válvula do lado por onde saía a pinga e que ele enfiava aquele frasco todo na boca de uma maneira muito nojenta. Acho que eu até fiquei com vontade de tomar aquela pinga esquisita, não tenho muita certeza porque o sonho já faz tempo. Então, um outro velho jogou uma poeira cinza que voou por toda a sala e o sonho acabou aí. Como não havia nenhuma comida na mesa, acho que não era bem um jantar, mas uma reunião meio esquisita. Mas de qualquer jeito, este é mais um sonho boçal para a coleção.

E vou ficando por aqui! Um bom fim de semana e espero que o Geraldo Alquimém não vá para o segundo turno nas eleições presidenciais!

Anúncios

Allan na Austrália

16 de setembro de 2006

Olá, leitores do meu blog! Neste post, eu estarei relatando mais um sonho onde eu estou em um outro país, desta vez a Austrália. Em outros posts, eu já relatei sonhos onde eu estou na Áustria, no Chile, na Argentina, no Polo Norte, nos Estados Unidos, num país da Europa não identificado (um país onde havia índios e onde a Tia Carmen morava) e num outro país também não identificado, provavelmente Israel pelo clima “judaico”, embora eu não tivesse nenhuma referência a Israel naquele sonho. Mas vamos ao que interessa, ou seja, ao sonho de hoje, sonhado no dia 14/09/2006. Neste sonho, eu sabia falar inglês fluentemente (e também sabia falar português, obviamente) e estava na Austrália hospedado numa casa. Não sei informar em que estado australiano eu estava, mas provavelmente eu estava na Ilha da Tasmânia, uma vez que, neste sonho, houve uma aparição de um demônio da Tasmânia no meio da rua (ainda chego nesta parte). A rua onde ficava a casa onde eu ficava hospedado era bastante parecida com a rua onde eu moro, tinha até o cruzamento com uma avenida (similar à Avenida Kennedy) e os bicicleteiros passando. No início do sonho, eu ficava na porta da casa sentado na calçada de madrugada, olhando a movimentação da rua e os bicicleteiros passando, além de olhar a fachada da casa da frente. Eu estava com bastante sono, mas eu não ia dormir, na verdade, durante o sonho inteiro eu não fui dormir, e eu fiquei sentado na calçada até o dia clarear. Após já ter amanhecido, eu lembro que havia uma garota que morava na casa ao lado (uma australiana) e que falou comigo (e eu falei com ela em inglês). Não me lembro de como era o rosto da garota e nem se ela tinha a minha idade ou se era mais nova ou mais velha que eu. E me lembro também que eu errei a pronúncia de “Austrália” em inglês, eu falei “Austrália” com a pronúncia em português e a garota me corrigiu, falando “Austrêilia”. Não sei se essa é a pronúncia correta no inglês da vida real (deve ser). Após a pronúncia incorreta, cheguei a pensar em dizer algo como “No Brasil, a gente fala Austrália mesmo”, dizendo em português para a moça (ou para o nada), mas como ela não ia entender o que eu ia dizer mesmo, fiquei de bico calado. Aliás, eu pouco falei no sonho. E fui com ela passear na rua. E eu nem entrei dentro de casa (ou não me lembro de ter entrado, no sonho inteiro eu acho que não entrei dentro da casa onde eu estava hospedado) para me arrumar para sair. Não havia nenhum parente meu no sonho, da família tava só eu e eu mesmo. Então eu saí para passear com a mocinha pelas ruas da Austrália, que aliás não eram muito diferentes das ruas daqui de Praia Grande, com exceção de um ou outro detalhe. Até que apareceu um demônio da Tasmânia na rua. Detalhe: eu nunca tinha visto um demônio da Tasmânia na vida real até o dia que eu tive este sonho, e inclusive, no mesmo dia que eu tive este sonho, quando fui entrar na Internet para achar alguma foto para ver se o demônio da Tasmânia era igual ao que eu sonhei, vi que o bicho era totalmente diferente do bicho do sonho, e este mais parecia com o Taz do desenho animado, só que de carne e osso. Vai ver que era o próprio Taz, o que não duvido nada. A criatura tava andando na rua e veio até a mim, e eu tive a idéia de fazer um cafuné na cabeça do coiso. Fiz um cafuné nele e acabei pondo a mão perto da boca do demônio da Tasmânia (do mesmo jeito que eu faço com as minhas cachorras, no caso, eu ponho a mão no focinho, uma vez que elas não mordem). Foi aí que o Taz mordeu o meu dedo indicador da mão direita, produzindo um buraco fundo na minha unha e partindo-a em duas. Daí eu parei de afagar o demônio e o toquei da minha frente, e continuei a passear com a mocinha, com o dedo perfurado, que nem sangrou e pouco doeu. Fomos para um bar (ou algo que parecia ser um bar) onde havia uns brasileiros. Acho que nem era um bar, acho que devia ser um supermercado ou até mesmo uma enfermaria ou cozinha, uma vez que eu não me lembro direito onde que a gente foi, só sei que o lugar era uma coisa meio que outra coisa, mas o fato é que havia vários brasileiros por lá, falando português. E eu fiquei sozinho nos fundos do lugar, onde havia uma geladeira e mais uns outros coisos. A partir daí, não me lembro de mais nenhuma parte do sonho.

E este foi o sonho de hoje, mais um para a coleção de sonhos onde eu estou em outros países. E até a próxima blogada!