Ghostbusters Cover

9 de fevereiro de 2006

Oi, gente, vou escrever um sonho que se sucedeu no dia 7 de fevereiro, ou seja, ontem (embora já passou da meia noite, considero como sonhado ontem). Sonhei que eu fazia parte de um grupo de agentes que combatiam alguma coisa não sei aonde. Era um grupo tipo Caça-Fantasmas, era eu e pelo menos mais dois homens. Não sei qual era o nome do grupo, mas eu lembro de vários detalhes sobre as atividades desse grupo. Eu e o pessoal do grupo (que vamos chamar provisoriamente de “Ghostbusters Cover”) nos reuníamos na sede do grupo, que era um prédio que funcionava como quartel-general. Lá, nós discutíamos sobre as nossas missões, sobre os problemas enfrentados, sobre as nossas idas aos lugares… Havia um bom trabalho em equipe. Assim como os Caça-Fantasmas, nós tínhamos um uniforme característico, se bem que não era parecido com nenhum uniforme da ficção. Lembro-me de algumas missões que eu fui, como uma (que está mais nítida no sonho) em que eu fui a um lugar sem iluminação onde haviam muitos problemas, inclusive eu fui junto com uma mulher. Tivemos que mexer em alguns controles, organizar coisas que estavam desorganizadas (principalmente num cubículo com paredes de cimento onde funcionava um escritório ou algo assim), sanar problemas relativos à escuridão… Teve outra missão que foi numa casa de não sei quem, perto de onde eu e a Mara morávamos (ver mais detalhes um pouco mais adiante, onde eu falo da Mara e da comunidade), onde havia problemas semelhantes, mas nessa parte eu pouco me lembro, lembro mais das partes onde eu e o resto ficávamos no quartel-general dos “Ghostbusters Cover”. Mas neste sonho eu também tinha a minha vida de civil. Não sei em que cidade se passou este sonho, mas lembro que eu morava perto do QG do grupo onde eu era membro. E todas as casas eram praticamente iguais, não haviam diferenças notáveis entre as casas (e em uma dessas casas é onde aconteceu a missão mencionada acima). Todos os moradores tinham a mesma quantidade de riqueza, não havia ricos, todo mundo era igual e muito humilde, embora todos morassem em sobrados com detalhes em marrom. Assim como na vida real, eu era muito amigo da Mara, embora esta seja no sonho ainda uma criança, aparentemente com 14 anos. Não sei que idade eu tinha, mas possivelmente eu devia ter uns vinte e poucos anos, alguns anos a mais do que na vida real. E, embora a diferença de idade entre mim e ela fosse notável e o fato da diferença de estatura ser gritante (neste sonho, eu era mais alto que na vida real e a Mara, mais baixa, pois era mais nova), a gente se amava muito. Se na vida real eu considero ela como uma irmã, no sonho éramos praticamente como namorados. Na vida real, eu e a Mara temos a mesma estatura, um metro e 68 centímetros. Uma parte do sonho que mais me chamou a atenção foi uma que as duas partes do sonho se cruzaram. Na rua onde ficava o QG dos “Ghostbusters Cover” (que fazia esquina com a rua da casa da Mara), eu passava normalmente como um pedestre civil, não estava a serviço, aí a Mara, da varanda do sobrado dela (e ela estava junto de uma menina que devia ter uns 5 anos e que tinha a pele parda), me chamou e eu fui na direção do sobrado dela, então eu passei em frente ao QG do grupo onde eu fazia parte e vi um dos meus companheiros, trajando o uniforme de serviço. Ele me olhou como que me convidando a entrar (embora eu estivesse de folga), nesse instante a Mara me chamou novamente, dando um berro. Por um instante, fiquei parado, admirando esses meus dois lados (o lado civil e o lado “militar”). Não me lembro de eu ter ido à casa da Mara, mas eu acho que eu devo ter ido. Não sei em que momento o sonho acabou, de repente o sonho acabou bem aí, ou então momentos depois. Na minha interpretação, este é um sonho que tem muito a ver comigo, tem vezes que eu pareço que tenho um lado meio que “militar” e um outro lado civil, é um sonho que enfatiza o trabalho em grupo.

Acho que já na semana que vem tem mais sonhos! Beijos para as mocinhas e especialmente para a Mara, que vai ser mãe!!!

Anúncios