Mais um sonho com a Mara

28 de fevereiro de 2004

Olá, amigos! Hoje eu sonhei com a Mara, minha grande amiga que faz um tempão que eu não a vejo. Eu estava não sei aonde (devia ser na FATEC ou em algum outro lugar que tivesse vários cômodos), eu acho que eu estava trabalhando por lá. Daí apareceu a Mara vestida de vermelho e com a saia jeans que ela costuma usar. Ela tava linda. Eu fiquei muito feliz com a visita dela, cumprimentei ela, nós dois conversamos, matamos as saudades… Ai, eu fiquei muito feliz!!! Conversamos durante bastante tempo até acabar o sonho. Ai, é tão bom sonhar com a Mara! Inclusive, eu vou até deixar uma foto da Mara aqui no meu blog para vocês saberem quem é a Mara. Eis a foto!

Mara

Bom, eu ia contar outro sonho, um sonho curtinho, mas parece que eu esqueci que sonho era. Quando eu lembrar, eu escrevo aqui neste blog.

Daqui a alguns minutos, eu criarei um outro blog além desse, um blog sobre temas livres, para eu escrever o que eu quiser. Este blog é destinado mais para eu contar o que eu sonho durante as noites.

Até mais, pessoal! Um beijão!


Sonho na igreja

22 de fevereiro de 2004

Olá, pessoal! Hoje eu estou fazendo um download monstruoso, 186 MB! Estou baixando o Linux Kurumin 2.13! É o maior download que eu já fiz, comecei às 10 da manhã e a previsão é de que o download termine lá para de noite!

Hoje eu irei contar dois sonhos que eu tive, um tem a ver com a FATEC e outro eu sonhei acho que foi anteontem, dia 20/02/2004. O sonho da FATEC é relativamente curto, eu estava no meio de um monte de veteranos da faculdade. Esses veteranos riam bastante e seguravam potes de tinta e ovos. Daí eles começaram a me sujar, pintando o meu rosto e quebrando ovos na minha cabeça. Eu estava num lugar meio avermelhado e bem esquisito. Não sei quantos ovos os veteranos quebraram na minha cabeça. Eu não conhecia nenhum dos veteranos e não foram esses veteranos que me pintaram na FATEC na vida real. Tô até sonhando com a FATEC!

O sonho que eu tive anteontem foi que não sei quem me mandou ir a uma igreja e eu fui, para protesto da mamãe, que é espírita. Fui junto com o meu irmão (Écio, que também é espírita). A gente se embananou com o caminho, eu acho que fomos à igreja errada. Ao entrar na igreja, tinha um padre sentado numa mesa como se fosse um juiz. Ele falou algumas coisas sobre a religião dele, abençoou nós e teve uma freira que falou não sei o quê também. No início, pensávamos que a igreja era católica, mas o padre disse que era a igreja batista. Eu não sei como é a igreja batista, pouco ouvi falar até hoje. Era um tanto quanto esquisita essa igreja, não parecia uma igreja convencional, parecia mais um tribunal de julgamento dentro de um cubículo, pois a igreja era extremamente pequena. O Écio chegou a mostrar ao padre os desenhos dele e eu contei que sei mexer no computador e até consertar um. Depois, eu e o Écio saímos da igreja com uma impressão meio estranha daquele local. Não sei se teve mais alguma coisa no sonho, a partir daí eu não me lembro de mais nada. Que igreja esquisita era aquela! Será que a igreja batista é assim? Bom, eu não tenho nenhuma religião, mas acredito em Deus. Me sinto bem assim sem religião.

Na próxima semana eu contarei um ou dois sonhos, já que o sonho que eu pretendo contar semana que vem é um sonho bem curtinho. Um grande abraço a todos os internautas e principalmente para a Cibele lá da faculdade!


Correndo para doar sangue

15 de fevereiro de 2004

Olá, amigos! Hoje eu estou muito feliz! Recentemente, aconteceram uma série de acontecimentos bons por aqui. Estou indo bem na faculdade, comprei minha primeira Playboy, gravei um super-CD cheio de videoclipes no meu computador… Tô de bem com a vida.

Hoje eu irei contar um sonho que eu tive neste último sábado, dia 14/02. Neste dia, os alunos veteranos da FATEC haviam marcado um trote solidário com os calouros, iriam levar quem quisesse para doar sangue. No dia anterior, eu estava me preparando para doar sangue e fiquei com isso na cabeça até a hora de dormir. Acabei sonhando com isso. Como para doar sangue não pode estar em jejum, quando eu acordasse, eu deveria comer alguma coisa. Sonhei que eu estava me preparando para doar sangue e que não ia dar tempo de eu comer alguma coisa, no sonho eu corri para comer alguma coisa e ir a tempo na FATEC doar sangue. Foi um sonho bastante corrido e agonizante. No sonho, eu ainda tinha que tomar banho, fazer barba, fazer outras coisas, coisas que iriam demorar muito, e eu tinha pouco tempo para fazer tudo aquilo e ainda ir à FATEC para doar sangue. Quando acordei, vi que dava tempo de tomar banho, me arrumar para ir à FATEC e de comer dois pães e um copo de leite. Depois peguei o ônibus, cheguei lá e fiquei sabendo que não ia ter doação de sangue, pois o lugar onde a gente ia estava em reformas. Corri tanto para nada!

Semana que vem eu irei contar outro sonho que eu tive em relação à FATEC, um sonho que tive hoje. Desde que eu comecei a estudar na FATEC, comecei a ter alguns sonhos sobre a faculdade. Valeu, pessoal, até a próxima! Beijo para as moças!


Como quebrar 50 vidraças em 10 segundos

7 de fevereiro de 2004

Oi, gente! Novamente eu aqui na frente deste computador para dar mais uma blogada! Hoje eu vou contar dois sonhos, um bem pequeno e outro maior.

Já faz bastante tempo que eu tive um sonho bem besta, um sonho no qual eu repeti a mesma coisa inúmeras vezes. Sonhei que tinha um cara muito mal-encarado na área. Eu e ele estávamos dentro de uma estrutura toda feita de vidro. Eram várias vidraças e tinha bastante gente me olhando do lado de fora. O mal-encarado fez uma cara bem feia para mim e, não sei o que me deu, que eu peguei o cara e comecei a arremessá-lo contra os vidros da estrutura. Os que me observavam começaram a rir do mal-encarado que se espatifava nos vidros. O impressionante é que, assim que o mal-encarado caía no chão, automaticamente eu já o pegava e o jogava novamente contra outra vidraça, fazia isso quase que sem pensar. A cada vidraça que eu jogava, o pessoal que observava pelo lado de fora ria mais. E eu jogava o cara numa velocidade impressionante, em dez segundos eu joguei o cara em cinqüenta vidraças! E fazia tudo isso sem precisar pensar, era automático, eu pegava o cara e o jogava numa vidraça, numa fração de segundo eu o jogava em outra vidraça e assim foi durante bastante tempo. Eu não sei quantas vidraças tinha naquela estrutura de vidro, com certeza deveria ter milhares de vidros, eu nem sei quantos vidros eu quebrei. E era curioso também porque o mal-encarado não sangrava, permanecia inteiro e indestrutível. Eu fiquei jogando o cara nos vidros até acabar o sonho. Mas que sonho besta!

Este foi o sonho maior, o bem pequeno eu vou contar agora. Este pequeno sonho (que eu iria contar na semana passada, junto com outros sonhos curtos) foi sonhado no ano de 1993, ainda quando eu morava em São Paulo. Sonhei que um homem e uma mulher estavam dentro de um buraco, tipo um alçapão. Em volta do buraco havia algumas ferramentas. De vez em quando, um dos dois punha a mão para fora do alçapão e pegava uma ferramenta. Acho que estão consertando alguma coisa dentro do alçapão. O casal estava de chapéu, a moça usava um chapéu preto com uma listra branca e o rapaz usava um chapéu amarelo com uma listra preta. Eu ficava do lado de fora do buraco, só olhando e às vezes eu ia para os outros cômodos da casa. Eu estava em uma casa meio esquisita, tinha uns quartos e aquele cômodo onde tinha um alçapão, nada mais. Depois de algum tempo consertando alguma coisa dentro do buraco, o casal pôs a cara para fora e a moça apertou minha bochecha e disse carinhosamente alguma coisa que eu não me lembro. Foi só isso.

Bom, se quiserem, podem escrever comentários sobre os meus sonhos! Até semana que vem!


Sonhos curtos

1 de fevereiro de 2004

Olá, pessoal! Hoje eu vou contar alguns sonhos bem curtos que eu tive ao longo dos anos.

Teve um dia (já faz mais de dois anos) que eu sonhei que eu havia montado um carrinho em miniatura. Daí eu vendi esse carrinho não sei para quem e esse carrinho foi o campeão mundial de uma corrida de carrinhos em miniatura. O meu irmão Écio também tinha feito um carrinho e havia vendido para outra pessoa, mas o carrinho dele perdeu a corrida.

Um outro sonho que eu sonhei na mesma época desse sonho do carrinho foi um que tinha uma garota da minha idade, uma garota muito bonita que tinha duas pernas mecânicas vermelhas. Ela era parecida com uma garota que eu vi na escola, embora a da escola tivesse as duas pernas. No sonho, algumas pessoas falavam mal dela não sei porquê. Lembro-me que ela ia andando para vários lugares, embora tivesse alguma dificuldade de andar. Ela ia na rua, ia no metrô, no ônibus, etc. Era uma pessoa muito batalhadora. E eu sempre ia atrás dela. Para onde ela ia, eu ia atrás. O sonho foi mais ou menos assim.

Um outro sonho que eu sonhei não sei que época foi um que foi bastante vago. A única coisa que eu me lembro é de que eu estava numa caverna escura, a Sandy estava junto comigo e eu dei um forte abraço nela, uma vez que ela não estava com uma cara muito boa.

Teve também um outro sonho que eu sonhei com minha antiga professora de ciências da 5ª série. Ela se chamava Tatiana (era Tatiana?) e era (e acredito que ainda seja até hoje) muito bonita. Acho que foi a professora mais bonita que eu já tive. Sonhei que eu ia na casa dela, falava com o pessoal da casa dela, tinha uma menina muito bonita que eu acho que era a filha dela, o pessoal conversava comigo e eu era muito querido por lá. Inclusive, a professora Tatiana me deu um beijo bem estalado no meu rosto. Acho que eu também dei um beijo no rosto dela, não me lembro bem se eu beijei ou não. Foi muito legal eu te sonhado com ela. Mas que linda que é essa professora!

Ah, e tem mais um sonho que se a minha prima Débora ler, vai me matar. Acho que eu tive esse sonho em 1999. Sonhei que a Débora e a Diana (que também é minha prima, irmã da Débora) estavam conversando comigo. Até aí tudo bem. Só que tanto a Débora quanto a Diana estavam sem blusa, estavam só de sutiã. O sutiã da Débora era pequeno, já que ela quase não tem peito. Já a Diana, como ela tem peitos razoavelmente grandes, o sutiã dela era maior. Daí, não sei o que aconteceu que o sutiã da Débora subiu rapidamente, indo parar no pescoço e deixando seus mamilos a mostra. Quando a Débora percebeu que eu havia visto as mamicas dela, ficou com muita raiva e fez uma cara bem feia. Eu fiquei meio sem graça. Bem que no sonho poderia ser ao contrário, poderia ter acontecido com a Diana e não com a Débora, já que os seios da Diana são maiores.

Só para terminar, teve um sonho que não sei quando eu sonhei que eu estava no banheiro (não sei se era o banheiro de casa ou era um outro banheiro), um banheiro bastante apertado. A Jacqueline, que foi minha colega de classe, estava tentando entrar no banheiro e eu tentando impedir a entrada dela, pois eu estava usando o banheiro. Ela tentando de qualquer jeito entrar junto comigo no banheiro e eu empurrando ela para fora. Quando ela desistiu de invadir o banheiro, eu fechei a porta (que era uma porta sanfonada), fechei a mão e disse, rindo: “Ai, que vontade de dar um soco na Jacqueline!” Eu nunca gostaria de dar um soco na Jacqueline em hipótese alguma e, como vocês já devem saber, nos sonhos eu não consigo controlar minhas ações. Voltando ao sonho: após eu fechar a mão e dizer que estava com vontade de dar um soco na Jacqueline, a Thais, que é amiga da Jacqueline, entrou rapidamente no banheiro onde eu estava, tirou a parte de cima de seu biquíni e ficou com os seios de fora na minha frente. Eu saí tão rapidamente quanto a Thais entrou, com medo de que ela brigasse comigo por olhar os seios dela, que eram maiores do que são na vida real. Eram seios bem bonitos e quase do mesmo tamanho dos peitos da Jacqueline. Depois que eu saí do banheiro, eu fui para outro lugar que eu não me lembro. A partir daí, eu não me lembro de mais nada deste sonho.

Nossa, essa foi uma super-blogada! Tinha também outro sonho curto que eu vou contar na semana que vem junto com um outro sonho!

Tchau, gente!

OBS: Se a professora Tatiana, que foi minha professora de ciências da 5ª série estiver lendo este blog, um beijo para você, lindona!