A clínica das araras vermelhas

23 de março de 2007

Olá, internautas! Faz dois meses que eu não posto aqui porque, como vocês já devem deduzir, estou bastante ocupado com os afazeres da faculdade, principalmente com o meu trabalho de conclusão de curso. Devido a eu estar ocupado, não foi possível também eu terminar o e-book dos Sonhos do Allan e nem o sistema visualizador dos Sonhos do Allan, ambos estarão previstos de serem lançados em julho desse ano.

Hoje eu irei contar um sonho que eu tive hoje. Lembram da moça que, no sonho postado há dois posts atrás, correu em cima de um fogão? Pois é, a Zoê Vialet apareceu novamente em um sonho meu (deve ser porque eu a vejo todos os dias no meu desktop, pois ela é a modelo do papel de parede do meu PC), desta vez dentro de um lugar misterioso, onde ela, que estava sem poder andar porque havia sofrido um acidente, milagrosamente voltou a andar, graças a um tratamento um tanto quanto estranho, à base de araras vermelhas que voavam de um lado a outro, encostando nas pessoas, e umas máquinas estranhas que pareciam pequenos contêineres, que não sei o que faziam, mas faziam barulho. O sonho começou comigo vendo um vídeo da modelo holandesa neste lugar misterioso. O vídeo alternava cenas dela tentando andar e dela sendo fotografada nua. Ou seja, mesmo em tratamento a Zoë não deixava de trabalhar! Nas cenas em que Zoë Vialet tentava andar, ela parecia mais aquelas crianças da AACD nas campanhas do TeleTon, andava toda torta e com extrema dificuldade, mas a cada cena que mostrava ela andando, a modelo andava cada vez mais direito, até que no final do vídeo, Zoë andou normalmente. E ela, nessas cenas, estava vestida. Já nas cenas onde ela era fotografada nua, ela estava nua. Como se além dela ter problema nas pernas ela fosse tetraplégica (mas não era), alguém a colocava nas poses sensuais para o fotógrafo bater as fotos, eu acho que eram os próprios enfermeiros que botavam a mulher nas poses, muito semelhantes às poses das fotos do site oficial da Zoë Vialet na vida real. Após acabar o vídeo, fiquei pensando: “Nossa, ela sofreu um acidente e ficou nesse estado! Coitada dela!” Acho, embora nenhuma parte do sonho diga isso, que o acidente sofrido por Zoë Vialet foi um acidente de carro. Então, adivinha o que aconteceu? Fui parar no tal lugar misterioso onde ela se recuperou! Não sei se eu consegui voltar no tempo ou se as pernas da modelo ainda tinham problemas quando eu cheguei lá, pois ela ainda estava por lá, se tratando. E de que jeito eu entrei no lugar onde a Zoë estava se tratando? Por um túnel, cuja entrada ficava aonde? Na novela Pé na Jaca! Tinha até a Juliana Paes no meio da multidão! Se bem que o cenário tava meio diferente, e a Juliana Paes foi a única que eu reconheci na multidão. Parece que a minha entrada e a multidão diante do túnel de entrada da clínica (devia ser uma clínica aquele lugar) estavam sendo gravados e exibidos em um vídeo, eu mesmo dei, não sei de que jeito, uma olhada no vídeo e vi que a definição da imagem estava deplorável, tava tudo quadriculado, e nem dava para ver que a Juliana Paes era ela mesma. Passada essa parte, eu consegui adentrar o túnel de entrada, que deu para o interior da clínica, um lugar metálico (as paredes e quase tudo o que havia por lá era de metal e cinzento) e ruidoso (o barulho ocorria devido às máquinas que pareciam pequenos contêineres, o barulho lembrava uma série de ares condicionados ligados, embora não fosse bem isso). Embora eu tenha entrado lá andando, eu fui lá para tratar de problemas nas minhas duas pernas, mais precisamente nos joelhos, que doíam bastante. Na vida real, cheguei a ter umas dores nos joelhos, acredito que por excesso de treinos na academia, mas tais dores já passaram, além de não serem tão fortes assim. De vez em quando, algumas araras voavam e encostavam em mim e nas outras pacientes, eram elas que faziam a cura das pacientes, além dos tais contêineres esquisitos. Acho que tais araras chegaram até a aparecer no vídeo da Zoë Vialet no início do sonho. Com exceção de mim, as pacientes da clínica eram todas mulheres, e todo mundo ficava alojado tudo amontoado num canto, uns colchonetes com umas camas onde eu e a mulherada ficávamos, e a minha cama ficava quase do lado da cama onde a modelo holandesa ficava, e eu até tentei falar com ela, porém ela só falava holandês, diferente do sonho onde ela andava em cima do fogão, onde ela falava português meio enrolado, mas ainda assim tentei me comunicar com ela, timidamente. Acho que a Zoë até entendeu alguma coisa que eu falei, pela cara dela. E eu até ajoelhei na frente dela, pois não conseguia ficar em pé, embora o meu problema fosse nos joelhos. Não tenho certeza, mas algumas outras pacientes também eram holandesas ou de outro país, mas havia algumas outras que falavam português do Brasil. O tratamento se resumia ao pessoal ficar alojado e as araras ficarem encostando nas pacientes, além daquelas máquinas trabalhando e fazendo barulho. Enquanto eu estava me tratando, Zoë Vialet não ficou nenhuma vez pelada para tirar fotos, e o número de enfermeiros diminuiu. E a enfermeira chefe era, nada mais, nada menos, do que a Vanda, a minha terapeuta holística que me passa uns florais para eu tomar cinco vezes por dia, além de me atender nas consultas (e hoje era dia de consulta). O que a equipe de enfermeiros fazia? Sei lá! Acho que eles ficavam vendo como andava a recuperação das pacientes. A medida que o sonho passava, eu ficava melhor dos joelhos. Até que, no final, meus joelhos estavam melhores e eu estava curado. Aí eu acordei e vi que tudo não passava de um sonho. Mas o sonho não parou por aí, pois eu acabei dormindo de novo (estava ainda meio sonolento) e o sonho continuou onde parou. Então, Zoë Vialet, já em clima de despedida (nós dois estávamos saindo da clínica, ambos recuperados), me entregou uma caixa embrulhada para presente, ou seja, um presente, falando comigo em português, com a mesma voz dela no sonho do fogão onde ela andava em cima e falando meio enrolado tal como naquele sonho, acho que até um pouco mais enrolado. Até me chamou pelo nome e dizia que queria me entregar um presente. Nessa parte do sonho, eu sabia que estava sonhando. Porém, não deu tempo de eu pegar a caixa das mãos da moça, pois eu acordei novamente, agora em definitivo.

Esta é a quarta vez que eu sonho com a modelo Zoë Vialet, a terceira contada neste blog (ainda falta contar o sonho onde ela aparece grávida, possivelmente irei contar esse sonho posteriormente, assim como outros sonhos, como o sonho onde eu estava na terra do Fidel Castro). Pelo jeito, outros sonhos com ela virão no futuro.

E vou ficando por aqui, não sei quando eu vou postar de novo, se é daqui a uma semana ou daqui a dois meses, mas podem ter certeza que eu irei postar um dia. E até a próxima blogada, e viva a comunidade Linux versus Windows, do Orkut, a comunidade onde eu mais freqüento, e viva principalmente o tópico Consegui!